Onde pode nascer a FRUSTRAÇÃO DO ATLETA

O mundo do esporte é sensacional e inspirador, mas se vacilarmos desistimos dele. Entenda como pode nascer as frustrações num esportista.

Primeiramente vamos separar o esporte em três níveis distintos:

– Nível Iniciante, aqui estão todos aqueles que viviam uma vida sedentária ou com pouca movimentação corporal e decidem cuidar da saúde física e mental escolhendo fazer exercício numa determinada modalidade. Geralmente estão com sobrepeso, obesos ou com alguma comorbidade. Nesse ambiente normalmente as atividades físicas são mais leves e de fácil execução. 

– Nível amador, neste mundo vivem os “mortais”, pessoas que possuem uma rotina de trabalho, família, lazer e ainda se dedicam a uma modalidade esportiva escolhida. Treinam nos intervalos de tempo entre um compromisso e outro. Custeiam seus gastos com nutrição, equipamentos e treinamentos com recursos próprios. Disputam torneios e campeonatos abertos para o público geral e buscam referências nos ídolos da modalidade.

– Nível profissional, nesta atmosfera encontramos os “galáticos”, termo utilizado popularmente para nomear os melhores competidores, os ídolos. Aqui o atleta vive do esporte ou se beneficia dele. Seus custos com equipamentos e estruturas normalmente são bancados por uma empresa ou por patrocinadores. A pessoa sofre uma pressão muito grande na busca de resultados e sabe conviver com isso. Participam de torneios e campeonatos seletivos ou em categorias especiais dentro de eventos abertos para o público amador.

Uma grande causa das frustrações acontece quando a pessoa confunde a sua realidade e no seu imaginário começa a agir e a cobrar de si mesmo um resultado diferente da sua capacidade no seu nível esportivo.

Neste momento alguns sintomas começam a surgir, como:

– excesso de treinos;

– falta de descanso;

– estresse no trabalho;

– ausência na família;

– pensamentos de desistência;

– falta de alegria;

– violência inusitada e muitos outros.

Lembrando que a frustração é a diferença entre a EXPECTATIVA (geralmente muito alta) e a REALIDADE dos resultados obtidos (geralmente muito baixos).

Por isso o profissional da saúde mental, seja ele um Psicanalista ou Psicólogo, associado ao profissional da saúde física, o Treinador, o Técnico ou Personal Trainer, juntos poderão alinhar essas variantes existentes na vida do esportista.

Proporcionando consciência sobre as suas reais possibilidades de melhorar a cada dia de treino, dentro da realidade do seu nível esportivo.

Inclusive é necessário destacar que é comum mudarmos de nível esportivo, pois com a dedicação aos treinos tendemos a melhorar os resultados.

Outra informação importante é que entre essas grandes divisões dos níveis esportivos existem subdivisões, separando os mais fortes dos mais fracos, dentro do mesmo nível.

Veja o exemplo (N = Nível):

– Iniciante N1, N2 e N3;

– Amador N1, N2 e N3;

– Profissional N1, N2 e N3.

 Mas essa explicação detalhada ficará para um próximo artigo de opinião.

Por enquanto fica a mensagem que, se você está sentindo alguns destes sintomas e deseja retomar a vontade e o prazer em fazer o seu esporte favorito, basta uma conversa bem alinhada com seus orientadores, físico e mental, para identificar qual o seu nível esportivo e quais expectativas você pode esperar com os resultados dos treinamentos.

E para finalizar o tema de hoje quero desejar que você seja muito feliz e se divirta durante seus treinos e competições.

Anderson do Prado-Pinduca

Psicanalista e Personal Trainer

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
LOGO MI

Crie seus eventos no
Minhas Inscrições

Tenha as melhores ferramentas para uma gestão completa de seus eventos em um só lugar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.